O sinal do fim

Quando o assunto da Segunda Vinda é levantado, inevitavelmente, a questão de qual "sinal" ou "sinais" o precederão é feita e, invariavelmente, guerras, terremotos, tsunamis, fomes e catástrofes semelhantes são propostas como precursores do fim. No entanto, o próprio Jesus nos deu a resposta definitiva a essa pergunta, ou seja, o cumprimento da missão da Igreja de anunciar sua boa nova a todas as nações.

Após sua última visita ao templo em Jerusalém, Jesus predisse sua destruição. Porque Israel havia rejeitado seu Messias, "todas estas coisas virão sobre esta geração. Eis que a vossa casa vos foi deixada desolada. Em verdade vos declaro:não ficará pedra sobre pedra que não seja derrubada" - (Mateus 23:34-39, 24: 1-2).

Foto da terra por Gall Gabriel-Orbis Terrae no Unsplash
[Foto da terra por Gall Gabriel-Orbis Terrae no Unsplash]

Em reação, os discípulos lhe fizeram duas perguntas. Primeiro, quando ocorreria a destruição prevista do Templo? Segundo, qual seria o "
sinal" da vinda do Filho do homem e da consumação da era?

Ele começou sua resposta emitindo um terrível aviso - cuidado com os falsos messias e falsos profetas que enganarão a muitos. Seus discípulos ouviam falar de guerras, terremotos, conflitos internacionais e fomes. Falsos profetas e outros enganadores apontariam para tais eventos como sinais da aproximação do fim.

No entanto, de acordo com o Senhor, calamidades desse tipo não eram indicadores do fim. Desastres ocorreriam, mas o “fim ainda não chegou.” Além disso, os falsos mestres entre seus seguidores apontariam para essas mesmas coisas como "sinais" de seu retorno iminente e, assim, levantariam falsas expectativas - (Mt 24:4-8; 2TS 2:1-4).

Catástrofes humanas e naturais têm acontecido de forma regular e frequente ao longo da história, portanto, seus seguidores não devem "se alarmar" quando inevitavelmente ocorrerem. Eles não são marcadores cronológicos pelos quais um crente ou a Igreja pode calcular o tempo do fim. No máximo, constituem um "começo de dores de parto", prenúncios do inevitável fim da era atual e da ordem mundial.

Além disso, em nenhum lugar Jesus previu que a frequência ou intensidade de terremotos, guerras e outros desastres naturais e provocados pelo homem aumentariam à medida que o fim se aproximasse.

Para a primeira pergunta, sua resposta foi-dentro "desta geração."A geração que era contemporânea dele veria a destruição do templo, e isso aconteceu quando um exército romano o destruiu e Jerusalém em 70 d. C., exatamente como ele previu - dentro de uma geração - (Mateus 3:7, 11:16, 12:34-45, 16:4, 17:17, 23:33-36, 24:34).

O SINAL


A respeito de sua "vinda sobre as nuvens e o fim do mundo", Jesus declarou que nenhum homem sabe aquele dia ou hora a não ser somente Deus e, portanto, seus discípulos devem estar sempre preparados para sua chegada inesperada e repentina.

O conhecimento dos "tempos e estações" pertencia somente a Deus, e qualquer homem que reivindicasse tal conhecimento mentia ou se arrogava informações que nem mesmo o Filho do homem possuía - (Mt 24:36; Mc 13:33; at 1:7-9).

Quanto ao "sinal" solicitado, Jesus deu um objetivo explícito que deve ser alcançado antes que ele retorne em glória – a saber, a "proclamação deste Evangelho do Reino em toda a terra habitável para um testemunho a todas as nações."Só "então virá o fim.”

A mensagem de seu reino é uma boa notícia para todos os homens que a ouvem e obedecem, e sua Assembléia deve dar testemunho dela em toda a terra antes que o "Filho do homem chegue... para ajuntar os seus santos" e julgar as nações - (Mateus 24:14).

Na oração grega do versículo em Mateus, o pronome demonstrativo traduzido como "este evangelho" ou houtos é enfático. É, "ESTE Evangelho do reino" que deve ser proclamado, presumivelmente, o mesmo pregado por Jesus e Seus Apóstolos.

Além disso, essa é a tarefa que ele atribuiu aos seus discípulos. Eles devem "ir e ensinar todas as nações a observar todas as coisas que eu vos ordenei; eis que eu estou convosco até o fim dos tempos.” Esta missão deve ser completada antes que Jesus volte para consumar o reino de Deus, Ressuscitar os mortos, destruir o "último inimigo, a morte", e assim por diante - (Mateus 28:18-20, Atos 1:6-8, 1 Coríntios 15:20-28).

Nuvens Crimeia - Foto de Alexey Fedenkov no Unsplash
[Foto de Alexey Fedenkov no Unsplash]

Então, como saber quando a tarefa está concluída? Segundo Jesus,
quando chegar o fim! O fato de não ter chegado é prova irrefutável de que nossa missão permanece inacabada.

O desejo humano de saber quando Jesus chegará é compreensível. O desejo de certeza sobre o futuro impulsiona nossas tentativas de discernir os "tempos e estações" e calcular datas. No entanto, todas as tentativas anteriores de fazê-lo falharam; a definição de datas sempre resulta em decepção e fracasso.

As palavras de Jesus são claras. Só seu pai sabe o momento do fim. Nem o "Filho do homem" tem essa informação. Nesse ínterim, entre agora e seu retorno, seus discípulos são chamados a pregar o Evangelho até que ele chegue aos "confins da Terra". Completar esta missão importa muito mais do que ter informações precisas sobre sinais, "tempos e estações" e cronogramas proféticos.

Isso levanta e responde à pergunta - Por que seu retorno foi "atrasado", supostamente, por mais de 2.000 anos?  A resposta é clara. Como a Igreja ainda não completou sua missão, ele está esperando que proclamemos o Reino de Deus em todos os cantos do globo, e só então ele aparecerá "nas nuvens do céu.”

Jesus não está atrasado, nem Deus "atrasou" seu retorno por algum motivo, conhecido ou desconhecido. O Senhor ressuscitado está esperando por nós para completar a única tarefa primordial atribuída ao seu povo por ele.



POSTS RELACIONADOS:


Comments

POPULAR POSTS

Ekklésia - Assembly of God

The Mission