A glória de Deus

No Evangelho de João, Jesus é o Logos, o "Verbo feito carne" em quem reside a "glória de Deus". Ele é o maior Tabernáculo prenunciado pela tenda levada por Israel no deserto, o lugar onde a glória de Yahweh foi vista. A declaração de João antecipa suas passagens posteriores que o ligam ao Pai. Assim, o homem que deu sua vida por toda a humanidade na cruz é a verdadeira e plena manifestação da Glória do Deus vivo que criou todas as coisas.

É através deste mesmo Messias crucificado e ressuscitado que Deus está redimindo homens e mulheres e a própria criação, um processo que culminará na chegada de Jesus no fim dos tempos, quando ele Ressuscitar os mortos, derrubando assim a morte de uma vez por todas, e inaugura os "novos céus e a nova terra.”

Noruega-Foto de Vidar Nordli-Mathisen no Unsplash
[Noruega-Foto de Vidar Nordli-Mathisen no Unsplash]

Durante sua permanência no deserto, Israel carregava a "
tenda do encontro" aonde quer que fosse. Era o lugar onde Yahweh encontrava seu povo através de seus representantes sacerdotais, a morada temporária de sua presença na terra, embora o acesso a ela fosse limitado.

Somente Moisés em uma ocasião foi concedido o favor de contemplar a glória de Deus, mas ele só viu o seu "traseiro"."A plena exposição à glória divina teria acabado com a vida do grande legislador naquele momento e ali - (Êx 33:17-23; 34: 1-6).

O Tabernáculo era uma estrutura temporária, e suas várias funções prenunciavam o Tabernáculo maior por vir. Além disso, como confirma O Evangelho de João, o verdadeiro e permanente "tabernáculo" não era outro senão Jesus de Nazaré, o "verbo que se fez carne.”

Além disso, João aplica a forma verbal da palavra grega para "tenda" à vida de Jesus. Em seu filho, Deus começou (e continua) a "tabernacular" com seu povo da aliança – (Jo 1:14).

Neste mesmo Jesus, todos os crentes contemplam a glória do único Deus verdadeiro e experimentam sua presença. O acesso a ele não está mais confinado ao templo em Jerusalém, ao Tabernáculo no deserto ou ao Sumo Sacerdote Levítico, nem está limitado aos limites geográficos da terra de Canaã ou da cidade de Jerusalém– (Jo 1:14).

Tanto o antigo tabernáculo como o Templo de Jerusalém eram "tipos e sombras" da realidade maior que só se encontra em Jesus. Nele, o Pai é revelado e, à parte dele, não há conhecimento exato de Deus.

O filho agora "senta-se" na própria presença de Deus, onde intercede continuamente por seus "irmãos" como seu fiel sumo sacerdote, tendo "alcançado a purificação de seus pecados" através de Seu sacrifício "um por todos" – (Hebreus 1:1-4, 2:14-18, 8:1-6, 10:12).

Assim, todo homem e mulher que crer nas palavras de Jesus "verá a glória de Deus." O Filho de Deus é o "caminho, a verdade e a vida, e ninguém vem ao Pai senão por ele" – (João 11:40, 14:6).

O pai só pode ser conhecido em seu filho. Quem conhece Jesus viu o Pai e sua glória. O homem que contempla o Nazareno "ontempla aquele que me enviou." Ninguém pode experimentar a presença e o conhecimento de Deus sem o "Verbo feito carne". Ele é o único lugar onde a "glória" divina se manifesta abertamente – (Jo 12:45; 17:24).

Mountain sunrise Norway - Foto de Andrew H no Unsplash
[Norway - Foto de Andrew H no Unsplash]

Quando Filipe pediu a Cristo que revelasse o Pai, o Messias de Israel respondeu: "
Quem Me Viu, Viu o Pai!"Como ele declarou anteriormente, aquele "que crê em mim não crê em mim, Mas naquele que ME enviou"– (Jo 2:44; 14:7-9).

Em Jesus de Nazaré, a glória divina é revelada agora e para sempre. Ele é a expressão máxima do Deus vivo e vivificante. Além disso, embora o Evangelho de João mantenha a distinção entre pai e filho, eles falam e agem como um só. Jesus só declara as palavras que primeiro ouve de seu pai, e a glória que ele manifesta é a glória do Pai.



POSTS RELACIONADOS:


Comments

POPULAR POSTS

Ekklésia - Assembly of God

The Mission