Ele Dá Vida

O Evangelho de João identifica Jesus como o Logos, a “palavra” através da qual Deus fez o universo. Este tema é proeminente no Evangelho de João. Baseia-se em ideias tradicionais da Bíblia hebraica sobre como Deus criou o mundo, e especialmente a vida, através da sua palavra falada. Jesus de Nazaré é a expressão última daquela palavra proferida pelo Deus vivo.

Em suas palavras e ações, Jesus refletiu a verdade, a graça e a natureza de Deus. Embora abandonado pelos seus amigos e morto pelos seus inimigos, o pai justificou-o ressuscitando-o dos mortos e colocando-o como o Senhor que dá a vida e o dom do Espírito ao seu povo.

Living Waters - Photo by Steve Bittinger on Unsplash
[Foto de Steve Bittinger em Unsplash]

Jesus é a palavra viva e vivificante de Deus.  O que foi verdadeiramente revolucionário no
Evangelho de João foi a afirmação de que este “verbo se fez carne” em Jesus, um homem da insignificante aldeia de Nazaré.

O salmista escreveu: “pela palavra do Senhor foram feitos os céus, e todo o seu exército pelo sopro da sua boca... porque ele falou, e foi feito; ele ordenou, e ficou” - (Salmo 33:6-9).

No relato da criação do Livro do Génesis, lemos como o Senhor “formou o homem do pó da terra, e soprou nas suas narinas o sopro da vida, e o homem torna – se criatura viva” - (Génesis 2:7, Hebreus 11:3).

Em João, a cláusula de abertura ecoa as primeiras palavras do Génesis – “no princípio.” Da mesma forma, em Gênesis, “no princípio, Deus disse: Haja luz, e houve light.” So também o Evangelho de João começa declarando: “no princípio todas as coisas foram feitas por ele... nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.”

Deus criou todas as coisas através da sua palavra. No Evangelho de João, encontramos esta “palavra” face a face no homem de carne e Osso de Nazaré. “Nele o Verbo se fez carne”, revelando assim a glória de Deus para todos verem.

João usa o termo “carne” da mesma forma que a Bíblia hebraica para se referir aos homens em seu estado enfraquecido e mortal. Assim, Jesus foi um verdadeiro ser humano que participou na mesma mortalidade que o resto da humanidade, mas sem pecado. No sentido mais verdadeiro, Ele é o Logos, A Palavra de Deus, e encontramos esta ideia expressa de várias maneiras no Novo Testamento. Por exemplo:

  • Uma vez que os filhos são parceiros de carne e osso, ele também participou da mesma maneira, que através da morte, ele poderia trazer a nada aquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo, e poderia libertar todos aqueles que pelo medo da morte foram toda a sua vida sujeita à escravidão... por isso, em todas as coisas lhe convinha que se tornasse semelhante a seus irmãos, para que se tornasse sumo sacerdote misericordioso e fiel nas coisas concernentes a Deus” - (Hebreus 2:14-18).
  • Porque não temos um sumo sacerdote que não possa ser tocado pelo sentimento das nossas enfermidades, mas um que tenha sido tentado de todas as maneiras que somos, mas sem pecado” - (Hebreus 4:15.  Compare Filipenses 2: 7-8).

É por isso que as palavras de Jesus são vivas e vivificantes. Eles determinam se um homem recebe a vida eterna. Ele não era apenas mais um filósofo ou líder religioso. Nos seus ensinamentos e acções, os homens ouviram e viram a “palavra de Deus” criadora. Jesus foi e continua a ser a expressão máxima do Pai. Assim como Deus “vivifica” ou “dá a vida”, assim “o Filho dá a vida a quem quer”, transmitindo a vida onde não há.

ELE DÁ VIDA


As palavras de Jesus são vivificantes, tema desenvolvido no Evangelho de João. “Eu sou a ressurreição e a vida; Quem crê em mim, mesmo que morra, viverá.” Da mesma forma,”eu sou a luz do mundo. Aquele que me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” - (João 5:21, 8:12, 11:25).

Aqueles que ouvem as suas palavras herdam a vida eterna. Como Jesus declarou: “Aquele que ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e passou da morte para a vida.” Todo homem que “guarda a minha palavra não verá a morte”, e aqueles que são seus verdadeiros discípulos “permanecerão na sua palavra” - (João 5:24, 5:38, 8:31, 51).

Além disso, o “Verbo feito carne” é “cheio de graça e de verdade.” Não apenas mais verdade ou a reafirmação da Lei Mosaica. A lei foi “dada por meio de Moisés, mas a graça e a verdade surgiram por meio de Jesus.”

A plenitude de Deus é revelada em seu filho. O pai não é conhecido além dele. “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão através de mim... de agora em diante, vocês o conhecem e o viram.” Como as águas vivas da terra, suas palavras dão vida - (João 14: 6-7).

Jesus não se identificou como o pai. Deus manifesta-se plenamente na sua vida, nas suas palavras e nos seus actos concretos de misericórdia; portanto, se alguém o viu ou ouviu, viu o pai. Só em Jesus podemos começar a compreender a natureza do Deus vivo que criou todas as coisas.

Não existe uma terceira via. Tudo o que Deus fez no passado foi em preparação para a sua plena revelação no seu filho, a palavra viva e vivificante. Como Paulo escreveu aos Colossenses, Jesus é aquele em quem “habita corporalmente toda a plenitude.” Ele é verdadeiramente a palavra da vida.



POSTS RELACIONADOS:
  • Salvação para as nações - (O Evangelho do Reino anunciado por Jesus de Nazaré oferece salvação e vida aos homens e mulheres de todas as nações e povos)
  • O Sinal Final - (Segundo Jesus. o fim não virá até que o Evangelho do Reino de Deus tenha sido proclamado a todas as nações - Mateus 24:14)
  • O Espírito Vivificante - (Não há vida sem o espírito de Deus-Seu Espírito cria, anima, sustenta e restaura toda a vida)


Comments

POPULAR POSTS

Ekklésia - Assembly of God

Going on to Perfection