O Fim da Morte

Alguns membros da congregação de Corinto negaram a futura ressurreição dos justos. Paulo respondeu enfatizando a necessidade de nossa ressurreição e apelando para a morte e ressurreição passadas de Jesus. A sua ressurreição foi e continua a ser o precedente e a garantia da nossa futura ressurreição. Seremos ressuscitados fisicamente quando ele “chegar”, e sua aparição significará o fim da própria morte.

Paulo revelou algo novo em sua defesa da Ressurreição. Os crentes ainda vivos no último dia serão transformados e receberão corpos imortais. Ele também descreveu os principais acontecimentos que precederão a ‘Parousia’ ou “chegada” de Jesus.

Cemetery Sunrise - Photo by Ayanna Johnson on Unsplash
[Photo by Ayanna Johnson on Unsplash]

O Apóstolo começou com a pergunta retórica: “
se se proclama que Cristo ressuscitou dos mortos, como dizem alguns de vós que não há ressurreição dos mortos?” - (1 Coríntios 15: 12).

Do seu ponto de vista, o cerne da questão era a necessidade absoluta da ressurreição corporal. Todos os seus argumentos são elaborados para apoiar esta proposição, e a sua base é a ressurreição passada de Jesus.

Se não houver ressurreição futura, então “nem mesmo Cristo ressuscitou”, e se for esse o caso, então o evangelho é nulo e sem efeito. Assim, a nossa ressurreição vindoura baseia-se na ressurreição passada do Filho de Deus. Além disso, é fundamental para os ensinamentos da igreja e para a esperança de salvação.

Paulo então argumenta que “todos serão vivificados, mas cada um em sua própria posição” ou “ordem.” Jesus foi as 'primícias' - Ele ressuscitou primeiro - o resto seguirá “na sua chegada.” Este evento constituirá “o fim quando ele entregar o reino a Deus e anular todo domínio, autoridade e poder.”

Assim, a ressurreição dos mortos começou com Jesus, o “primogênito dos mortos”, e em sua “vinda”, este processo será consumado - (1 Coríntios 15:23).

SEU RETORNO


Paulo usa o substantivo Grego 'Parousia' para a “vinda” ou “chegada” de Jesus. Por exemplo, em sua primeira carta aos Tessalonicenses, ele liga a ressurreição dos crentes mortos à “chegada” de Jesus do céu - (1 Tessalonicenses 4:12-15, 5:23, 2 Tessalonicenses 2:1, 2:8).

Sua ‘Parousia’  significará “o fim” da era atual, a subjugação de todos os seus inimigos e o fim da morte. Este último é o “último inimigo” que deve ser destruído. Só então ele entregará o “reino” ao seu Deus e pai, após o qual, Deus será “tudo em todos” - (1 Coríntios 15:24-28).

O propósito de Paulo não era apresentar todos os detalhes relacionados ao retorno de Jesus. Assuntos específicos são introduzidos porque apóiam seu argumento para a ressurreição dos justos mortos.

Jesus ressuscitou como as “primícias” daqueles que “dormem”. Logicamente, os crentes mortos participarão do mesmo tipo de ressurreição que ele fez, embora apenas na hora marcada. Na conclusão de seu argumento, Paulo retorna aos temas da ressurreição e do fim da morte:

  • (1 Coríntios 15: 51-58) - “Nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados... durante a última trombeta, pois soará e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.”

A cessação da morte coincidirá com a “vinda” de Jesus. Esse dia marcará a derrocada final de todos os inimigos de Deus e a consumação de seu governo. Depois disso, não haverá mais inimigos a conquistar, portanto, a morte não haverá mais.

No entanto, a ressurreição corporal não significa a ressuscitação de cadáveres. Em vez disso, nossos corpos mortais serão transformados em outro tipo de corpo voltado para a vida no espírito. Tal organismo não estará sujeito a doenças, decadência e morte. A evidência desta esperança é o corpo glorificado de Jesus. Nós, da mesma forma, herdaremos corpos glorificados. Nossa vida na era vindoura será uma existência encarnada, não um estado desencarnado - (1 Coríntios 15:35-50).

O “mistério” que é revelado na passagem é que os crentes que permanecem vivos quando Jesus chega serão fisicamente transformados. Não experimentarão a morte. A esperança da Igreja baseia-se na crença na ressurreição futura e na vida na nova criação, que, por sua vez, se baseia na morte passada e na ressurreição corporal de Jesus de Nazaré.



POSTS RELACIONADOS:
  • Salvação para as nações - (O Evangelho do Reino anunciado por Jesus de Nazaré oferece salvação e vida aos homens e mulheres de todas as nações e povos)
  • O sinal do fim - (Segundo Jesus. o fim não virá até que o Evangelho do Reino de Deus tenha sido proclamado a todas as nações - Mateus 24:14)
  • O Espírito da vida - (O espírito de Deus transmite a vida, especialmente a vida eterna, da qual o dom do Espírito é o antegozo e a garantia)

Comments

POPULAR POSTS

Ekklésia - Assembly of God

Going on to Perfection